5

terça-feira, 06 de abril de 2010

Essa semana li no blog do meu amigo Eduardo Girão uma sacada muito boa de um restaurante aqui de BH para lidar com a questão da “rolha”. Cobrar ou não cobrar a “rolha” de quem leva a própria bebida para o restaurante? Enquanto alguns donos de restaurante deixam de cobrar rolha uma noite por semana e outros cobram pequenas quantias pelas taças quando o freguês leva seu vinho de casa, há os que realmente conseguem o famoso “diferencial”. No restaurante À Mesa Bistronomique não se cobra rolha uma vez por mês: nessas ocasiões os fregueses recebem por e-mail o menu especialmente criado para o dia e, assim, podem eles próprios levar seus rótulos harmonizados. Simples, diferente e sensacional!

  • Guilherme

    Bacana e tal, mas o que há de mais em relação a quem não cobra rolha uma vez na semana ou pra quem cobra valores simbólicos pelo uso da taça de vinho?

    Em qualquer um deles é possível ligar no restaurante e perguntar do menu e levar um vinho para harmonizar com os pratos.

    Pra mim, faz melhor serviço ao vinho quem oferece vantagens mais vezes ou por mais tempo.

  • Douglas

    Conheço um lugar mais legal ainda. Não cobra rolha NUNCA.

  • Bárbara

    Já conheço o restaurante, a proposta da rolha é super legal. Além da comida maravilhosa, o serviço é excelente! Recomendo!!!!

  • Juca

    Tá! e a vantagem é???

  • http://www.ongdarolha.com/ Alessandro Garcia

    No natal de 2009, durante uma de suas degustações, Alessandro Garcia, Sidney Garcia e Claudio Frazão (Respectivamente), incentivados pelos presentes, tiveram a ideia de criar uma instituição para defender, cuidar e discutir os assuntos relacionados as rolhas, em especial as tradicionais rolhas de cortiça cuja fabricação tem sido ameaçada, pela crescente substituição por rolhas de plástico, em decorrência do intitulado desenvolvimento sustentável com a preservação da natureza. Mas como aceitar essa substituição com sensível prejuízo ao sabor do vinho e suas tradições? Então, por que não reciclar as rolhas de cortiça. Seria esse o caminho? Então se instituiu a ONG DA ROLHA – Ano I.
    http://www.ongdarolha.com/
    http://www.brasilviaweb.com.br/a/ong-da-rolha
    http://ongdarolha.blogspot.com